Um dos focos do programa é conscientizar as gestantes e os acompanhantes para os benefícios do parto normal, diminuindo o número de cesarianas

Já começaram as atividades do Projeto Universidade da Criança em parceria com o Instituto Abraço em Francisco de Beltrão. Neste ano, o programa que orienta mães, pais, e gestantes do município contará com uma nova programação. Serão seis módulos, com palestras que pretendem chegar mais perto da população de todos os bairros de Francisco Beltrão.
 
De acordo com Isolde M. Baggio, enfermeira Obstetra do Instituto Abraço, os módulos que vão contemplar deste a gestação até a introdução alimentar, amamentação, cuidados com recém-nascidos, cuidados puerperais. O Instituto Abraço é uma entidade filantrópica relacionada ao Hospital São Francisco. O Universidade da Criança é um projeto do mandato da deputada federal Leandre Dal Ponte, lançado no ano passado em Francisco Beltrão, em parceria com o Núcleo de Estudos de Direitos e Defesa da Criança e do Adolescente (NEDDIJ) da Unioeste, Vara da Infância e Juventude e Família, Ministério Público, e da Secretaria de Saúde da Prefeitura de Francisco Beltrão.
 
O próximo módulo, segundo Isolde, acontecerá no mês de março. Na semana passada, aconteceram dois encontros com as gestantes em Francisco Beltrão. Um no Centro da Juventude (CEJU) no Bairro Pinheirinho e o outro na Associação Marrecas Bem-Estar Menor (Amarbem), que fica no Bairro Luther King.
 
A Jéssica Machado e o Jonas Santos, que estão esperando a chegada da Eulália, participaram da palestra na Amarbem. Jéssica conta que descobriu muito sobre a importância do pré-natal e os benefícios do parto normal. “Mesmo com a chuva, falei pro meu esposo: vamos, porque vamos descobrir muitas coisas. Acho que este projeto precisa continuar, porque é uma coisa muito boa pra gente”, comentou.
 
O Jonas também conseguiu tirar muitas dúvidas que tinha com relação ao parto normal ou a cirurgia cesariana.Trabalha na BRF há cinco anos. “Muitas dúvidas que eu e minha esposa tínhamos foram tiradas, sobre posição de parto. Coisas que a gente nunca tinha imaginado. Por exemplo: que eu posso acompanhar o parto”, comentou.
 
Já a Tatiane de Almeida participou da palestra no CEJU. Ela, que está na primeira gravidez aos 31 anos, se comprometeu a participar de todos os módulos oferecidos no programa. “Eu tinha muita dúvida. E por mais que eu esteja fazendo o acompanhamento no Posto de Saúde, aqui nestes encontros muitas dúvidas são sanadas. E só dá mais incentivo para a gestante optar pelo parto normal. Eu vou participar de todas as outras palestras que tiverem. Porque a gente só tem a ganhar. Com certeza”, concluiu.
 
Fonte: Assessoria de Imprensa
Link Encurtado:
https://goo.gl/X911X2