Deputada falou sobre a organização da população de Irati em defesa das mulheres durante Instalação da Procuradoria da Mulher na ALEP

Durante a instalação da Procuradoria da Mulher na Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP), nesta semana, a deputada federal Leandre Dal Ponte (PV-PR) citou o movimento de repúdio à violência contra as mulheres de Irati como exemplo. O movimento “O Silêncio Mata” é uma iniciativa do Grupo Câmara Mulher de Irati,
 
Ao mesmo tempo em que a ALEP instalava, oficialmente, a Procuradoria da Mulher a sociedade de Irati estava reunida para debater o movimento em defesa das mulheres. Eles marcaram um ato público para chamar a atenção da sociedade em repúdio à violência contra as mulheres para a próxima quinta-feira, 11. Dezenas de entidades locais e regionais já apoiam o movimento.
 
“No dia 27 de junho, uma mulher foi cruelmente espancada no município de Irati. Para vocês terem uma ideia, só no rosto dela foram mais de 300 pontos. Seguramente, será difícil recuperar o olho dessa mulher. Dificilmente, haverá plástica que consiga recuperar o rosto dessa mulher. Mas a ferida dentro da alma dela não há médico que capaz de curar. E nesse exato momento, enquanto nós aqui instalamos a Procuradoria da Mulher, a sociedade de Irati se une em uma reunião preparatória para um grande manifesto. Para dizer: basta. Essa é uma atitude louvável”, disse a deputada Leandre durante seu pronunciamento na ALEP.
 
O Manifesto de Irati
 
Durante a reunião desta semana, a sociedade organizada de Irati definiu como pauta principal do movimento “O Silêncio Mata” a instalação da Delegacia da Mulher em Irati, ações de combate à violência contra as mulheres, dentro da Rede de Proteção, a qual a Procuradoria da Mulher da ALEP faz parte, e educação para a diminuição das desigualdades de gênero. 
Fonte: Assessoria de Imprensa
Link Encurtado:
http://bit.ly/2JadoPT