À luz do Maio Laranja, que busca conscientizar a sociedade sobre o enfrentamento ao abuso de crianças e adolescentes, Frente Parlamentar da Primeira Infância transmite videoconferência

A Frente Parlamentar Mista da Primeira Infância transmite, nesta quinta-feira (14), um debate por videoconferência sobre as ações de enfrentamento ao abuso sexual de crianças e adolescentes diante da Covid-19. Em referência à campanha do Maio Laranja, que busca conscientizar a sociedade sobre o tema, a transmissão começa às 9h30, pelo canal da frente no Youtube.

A presidente da frente no Congresso Nacional, deputada federal Leandre Dal Ponte (PV-PR), destaca que a ação é uma edição especial da “Diálogos com Especialistas”, organizada pelo colegiado, para promover uma interação entre os parlamentares com a sociedade civil e especialistas em direito da criança e do adolescente.

Já confirmaram a participação o secretário Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, Maurício Cunha, e a presidente do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), Iolete Ribeiro da Silva. Também foram convidados os presidentes das frentes parlamentares estaduais da Primeira Infância, e presidentes dos conselhos.
 
“Esta será a segunda experiência da nossa frente com a transmissão de uma videoconferência. No mês passado, na primeira edição online do projeto, nós debatemos os cuidados e a atenção à primeira infância durante a pandemia do novo coronavírus. A experiência foi um sucesso. Tivemos mais de 6 mil expectadores no Youtube. Tenho certeza de que, desta vez, também poderemos contar com o apoio da sociedade”, convidou a deputada paranaense.
 

30 anos do ECA

Leandre ressalta que, em 2020, são comemorados os 30 anos do Estatuto da Criança e Adolescente (ECA) no Brasil e exatos 30 anos de vigência da Convenção Internacional de Direitos da Criança.
 
“Por isso, mesmo durante os trabalhos à distância do Congresso Nacional, nós pretendemos dar continuidade nos trabalhos da frente, divulgando e promovendo debates para tirar a lei do papel, e colocar em prática a Lei nos municípios, que é onde as crianças e as famílias vivem e se relacionam”, concluiu.
Fonte: Assessoria de Imprensa
Link Encurtado:
https://bit.ly/35RmA5y